COVID-19: Crescem casos em Ibiúna e internações em São Roque

Nesta semana a Prefeitura de Ibiúna emitiu uma nota solicitando mais cuidado da população em relação ao novo surto de COVID-19 na cidade. Entre quinta-feira (20/05) e quarta-feira (27/05) foram registrados 437 novos casos da doença. No mesmo período, São Roque que possui população semelhante à da cidade vizinha marcou 117 notificações (no auge da pandemia, foram 365 casos confirmados para o novo coronavírus em uma semana).

+ Confira o cronograma de vacinação para a próxima semana em São Roque

Apesar ter um registro inferior ao de Ibiúna, a situação de São Roque também preocupa. Os números da cidade têm viés decrescente, mas continuam altos. O Jornal O Democrata divulgará, a partir desta semana, dois boletins semanais. Na versão impressa, com a média semanal entre terças e quartas-feiras, e no site com os dados registrados entre segundas-feiras e domingos. Dessa forma, a análise dos números foge de desvios e fica menos sujeita ao sensacionalismo.

Na última semana, por exemplo, entre segunda-feira (24/05) e domingo (30/05), São Roque registrou 87 novos casos positivos de COVID-19. Esse é o menor índice registrado nas últimas quatro semanas, mas ainda é muito alto se comparado à média semanal de fevereiro (antes do novo surto) que era de 65,75 casos. Sete pessoas faleceram na cidade e a média de internações é a mais alta registrada no mês de maio.

O surto na cidade de Ibiúna com certeza deve preocupar as autoridades são-roquenses tanto devido à proximidade, quanto ao trânsito de pessoas que moram numa localidade e trabalham na outra. O transporte coletivo ofertado pelas linhas de ônibus intermunicipais é constantemente alvo de reclamações por estar lotado, por exemplo. E o atendimento hospitalar, principalmente leitos de UTI, é compartilhado entre as duas cidades. No momento em que crescem as internações em Ibiúna e São Roque, fica ligado o sinal de alerta.

No Estado de São Paulo total de pacientes internatos até 28 de maio de 22.959 pacientes no estado, sendo 10.411 em unidades de terapia intensiva e 12.548 em enfermaria. A taxa de ocupação dos leitos de UTI no estado era de 81,9% e na Grande São Paulo é de 78,9%.