Obra inacabada sobre a linha férrea gera transtorno para moradores de Maylasky (fotos)

Os moradores de Maylasky que moram próximo ao Viaduto Vasco Barioni estão convivendo com uma via construída sobre a linha férrea que vem causando tantos transtornos, a quem vive no local, quanto benefícios àqueles que somente estão de passagem. A abertura do local começou há aproximadamente um ano e não possui nenhum tipo de sinalização, iluminação ou pavimentação. Em contato com o Jornal, um morador conta que o local oferecia risco aos alunos que percorriam o local em direção às escolas antes da pandemia e já chegou à ser fechado pelo DER (Departamento de Estradas de Rodagem).

O dono de um comércio da região relatou à redação do Jornal O Democrata que a Prefeitura de São Roque abriu o caminho sobre a linha férrea desativada da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e que agora a poeira produzida pelo tráfego de caminhões aumentou. Ele reclama dizendo que isso traz o risco doenças respiratórias, sujeira e barulho, além da insegurança que os moradores sentem devido à falta de iluminação no local.

Ele comentou, ainda, que há um decreto municipal que proíbe o tráfego de veículos pesados na área urbana do Distrito de Maylasky. A reportagem confirmou que o Decreto Nº 5.313, de 6 setembro 1.999, assinado pelo ex-prefeito Efaneu, está em vigor e especifica no artigo primeiro: “Fica proibido, no sentido Bairro de Mailasqui à Rodovia Raposo Tavares, o trânsito de veículos de carga, tipo caminhão, reboque e semi-reboque, nas Ruas Luiz Matheus Mailasqui e Urbano Simões, situadas no perímetro urbano do Bairro de Mailasqui”. O que, como se vê nas fotos, não tem sido respeitado.

Um dos moradores contou que enviou diversos protocolos para as repartições municipais, como a própria Prefeitura, a Vigilância Sanitária, o Departamento de Trânsito e a Guarda Civil, mas não obteve resposta de nenhum deles. Segundo ele, a poeira causada pelos veículos pesados no local tem provocado também prejuízos financeiros no comércio.

Em contato com o DER, fomos informados que o local não pertence à jurisdição da estatal, sendo de responsabilidade municipal.

De acordo com a assessoria de imprensa da Prefeitura, a obra foi realizada após diversos pedidos dos moradores da Vila Lombardi como uma forma de interligar o bairro ao centro de Maylasky. No local, ainda é proibido o tráfego de veículos pesados, sendo que os que foram observados pelos moradores estão de modo irregular. Também foi informado que existe a intenção de pavimentação e melhorias no local, mas que não foram incluídas no cronograma de obras por causa do momento de pandemia.