Quando a liberdade se torna uma utopia

O vírus chinês surgiu tirando a saúde das pessoas mais fracas e das que não tiveram a devida assistência médica, levando-as à morte, porém, outro mal, talvez mais terrível que essa doença, é aquele que vem roubando a liberdade das pessoas. Tal qual uma peste, que pode tirar nossas vidas, está se propagando de forma virulenta e sem controle, subtraindo o importante direito constitucional de ir e vir – o lockdown.

Esse procedimento, condenado pelas maiores autoridades médicas, e as mentes científicas mais respeitadas do mundo, continua sendo praticado, apesar da sua provada ineficiência e indiscutível prejuízo para as pessoas, desgraçando suas economias e comprometendo seus equilíbrios físicos e emocionais. Além do mais, já ficou provado que nesses períodos de reclusão, os contágios aumentam em vez de diminuírem. Os governantes combatem as aglomerações, mas obrigam as pessoas a se confinarem em casa, impedido-as que se beneficiem com os saudáveis atributos da vida livre, na qual o indivíduo está em maior contato com a natureza e suas forças revitalizadoras.

São tão incoerentes que obrigam o comércio a trabalhar com horário reduzido, fazendo com que os clientes que os procurariam no decorrer do dia de forma espaçada, se reúnam no curto espaço de tempo causando a tão combatida aglomeração.     

O toque de recolher está sendo usado indevidamente, uma vez que essa decisão está além das atribuições de governadores e prefeitos. Ela fere direitos constitucionais do cidadão, e é bom lembrar que não estamos diante de uma situação de guerra, mas sim de uma Pandemia Política, que já foi denunciada por médicos de todas as nações.

É preciso que a classe política, que afirma estar a serviço da população, bem como os juristas e membros do STF, que se dizem defensores das leis e da constituição, tomem as devidas providências para que esses abusos dos poderes públicos tenham um fim.  

Presenciando o que está acontecendo em diversos lugares do país, tendo como exemplo o município de Araraquara, que se transformou em uma cidade fantasma, chegamos à conclusão de que para milhares de brasileiros, a liberdade se tornou uma utopia, o que fatalmente acontecerá a todos, se alguma medida urgente não for tomada.

Somos responsáveis pela crescente invasão nos nossos direitos, uma vez que nos subordinamos a esses abusos sem questionamentos, tornando-nos ovelhas subservientes.

O cidadão esquece que o poder está em suas mãos, e que o Estado, na verdade, existe para atender aos anseios da sociedade, e não para subjugá-la.

A liberdade, uma vez perdida, dificilmente será retomada.

Disney Medeiros Raposo