Santa Casa de São Roque realiza primeiro parto humanizado

O Parto humanizado é uma modalidade de nascimento em que há o mínimo de intervenções médicas, deixando o protagonismo do nascimento entre o recém-nascido e a mãe. A humanização dessa ação tão natural assume uma postura respeitosa quanto aos desejos e necessidades, levando em conta sempre sua saúde e bem-estar. No dia 13 de junho, o primeiro parto humanizado com o acompanhamento ocorreu na Santa Casa e iniciou oficialmente o programa que permite doulas junto às parturientes antes, durante e após o parto.

A doula é uma profissional com sua importância comprovada e sua entrada nos hospitais é essencial para consolidação de um cenário obstétrico com autonomia da pessoa gestante. O papel da doula é trabalhar com a gestante questões emocionais e psicológicas, esclarecer dúvidas, compartilhar informações, trazer métodos não farmacológicos de alívio da dor, acolher e amparar a pessoa durante o processo e muito mais. “A profissional não  realiza nenhum procedimento clínico (como exames, por exemplo) nem acompanha o pré-natal e o parto nesse sentido, esse é papel das enfermeiras obstétricas, das obstetrizes ou médicos obstetras”, explicam Cora Saiani e Nicole Hernandez, estudantes de Obstetrícia na EACH-USP e fundadoras da loja Matronália.

A humanização do parto com benefícios às mães e aos bebês para que ambos tenham sua dignidade médica, social, emocional e familiar garantida nesse complexo e especial evento. A Diretoria de Saúde deu início a implantação do parto humanizado na Santa Casa de São Roque, e nos demais hospitais do município, com a autorização para a presença de doulas junto às parturientes em todos os momentos do pré ao pós parto. Os vereadores Dra. Claudia Pedroso e Diego Costa se reuniram algumas vezes com as doulas, assim como com a administradora da Santa Casa, Taís Marolato Danilucci e com o Diretor de Saúde do município, Dr. Luís Redda, com o objetivo de identificar as dificuldades para a implantação do parto humanizado e a forma de superá-las, visando a segurança e a integridade de todos os envolvidos.

“Em um momento de tanta fragilidade e ao mesmo tempo de necessária força, é muito importante que as gestantes tenham acolhimento e respeito, uma mão para acolhê-las, afinal, um atendimento mais humano faz a diferença, e saber que nossa atuação permitiu esse parto e outros tantos que virão, nos deixa muito felizes”, relatam os vereadores.

A humanização do parto em São Roque, apesar de ter sido iniciada agora, é uma lei municipal estabelecida em 2019. Na época, Daniele Cavalcanti, que atua como doula, entrou com o projeto junto com os vereadores Rafael, Alexandre e o Guto Issa ( na época vereador) “e até o momento ainda estamos na luta pra fazer valer a lei, porque as instituições ainda barram a entrada. Felizmente, estamos em conversa com a nova administração da Santa Casa , que abriu as portas para nos ouvir! Ainda estamos em processo, mas acreditamos que tem tudo pra dar certo. Estou nessa luta há 4 anos e a cidade é bem fechada ainda!” explica Daniele.

O papel das doulas no acesso ao parto humanizado

Nicole e Cora explicam que o acompanhamento do parto por uma doula não é algo excepcional, mas sim um direito das parturientes: “A entrada de uma Doula além do acompanhante não é uma iniciativa do hospital, e sim um direito garantido por lei – no caso de São Roque, a Lei nº 4926/2019 – que muitas vezes é negado”. A lei permite que as doulas ajudem a caminhar no sentido de um atendimento à gestação, parto e pós parto mais humanizado, pautado no protagonismo da pessoa gestante e é obrigação do hospital respeitá-la e direito da mulher denunciar o não cumprimento da Lei caso tenha seu direito negado.

Entretanto, isso não garante um atendimento respeitoso e humanizado, uma vez que, para isso, toda a equipe deve estar em equilíbrio. Apenas a presença da doula não é sinônimo de parto humanizado. ”A importância do acesso de doulas nos hospitais é muito benéfico para as gestantes por sentirem amparadas e acolhidas por uma pessoa que acompanha sua trajetória desde o pré natal até o dia do parto, e estará com ela num momento tão sublime que é o nascimento do seu filho.

A doula oferece o apoio físico e emocional para a parturiente enquanto a equipe técnica proporciona todos os cuidados que a mãe e o bebê necessitam ambos não interferem nas condutas apenas somam para um parto mais humanizado e respeitoso para essa parturiente.”, explica a doula Jaqueline Alves.

As também são procuradas para acompanharem os partos normais. “Infelizmente muitos hospitais públicos e privados não estão preparados para o parto humanizado, seja tanto na estrutura física quanto no psicológico, onde é preciso quebrar alguns tabus que foram implantados pelo sistema, mas é possível reverter se assim o profissional deixar se permitir”. A doula tem o objetivo de ajudar a gestante com apoio físico e emocional encorajando essa mulher   a parir feliz e sem medo.

Lígia Victorio, vice diretora Executiva da Associação de Doulas do Estado de São Paulo (ADOSP) costuma dizer que existem três pilares que sustentam a atuação das doulas: o apoio informacional oferecido ainda na gestação (sobre o processo do trabalho de parto, as demandas da amamentação)  “sempre explicitando as boas práticas fundamentadas na Medicina Baseada em Evidências (MBE), com o intuito de que a figura feminina assuma o papel de protagonista do seu próprio parto”; o auxílio emocional, para que a gestante seja capaz de lidar com as inúmeras questões que surgem ao longo da gestação,como a construção de sua rede de apoio e o apoio físico no momento do trabalho de parto em si.

“Veja que a figura da doula atua muito além do momento do parto em si. No parto, a doula proporcionará um ambiente acolhedor, que respeite as vontades da parturiente, oferecerá medidas de conforto, massagens, técnicas de relaxamento, sugestões de movimentos e posições que auxiliam o progresso do trabalho de parto.. no pós parto ainda pode auxiliar com as demandas da amamentação e na recuperação do parto, bem como com as novas demandas do puerpério..

Lembrando que a figura da doula vem para somar e não para causar tensões no ambiente do parto, a Doula não substitui quaisquer dos profissionais tradicionalmente envolvidos na assistência da parturiente e muito menos o acompanhante, são papéis totalmente distintos (com leis distintas inclusive)”finaliza Victorio.

A doula tem o objetivo de ajudar a gestante com apoio físico e emocional encorajando essa mulher   a parir feliz e sem medo.

A doula acalma, acolhe, realiza massagens para aliviar a dor e tensão, ensina técnicas favoráveis de respiração durante o trabalho de parto, informa tudo sobre o parto deixando essa mulher mais segura e confiante para o momento mais sagrado de sua vida que é parir um filho.

E muitas das vezes essa gestante busca uma doula para conseguir seu parto normal.