Home office aumenta chances de problemas de saúde relacionados à má postura

Especialista alerta o risco e dá dicas para adaptaçes em casa

Devido à pandemia do novo coronavírus (COVID-19) e, para evitar ainda mais o colapso econômico do País, diversas empresas precisaram se adaptar ao novo normal, levando seus escritórios e corporações para dentro de casa. Com o atual cenário, o trabalho home office, quenão tem data para acabar, se não organizado corretamente pode acarretar em problemas de saúde e bem-estar.

Segundo dados do estudo realizado pelo Centro de Estudos em Planejamento e Gestão de Saúde, da Fundação Getúlio Vargas (FGVSaúde), em parceria com o Institute of Employment Studies (IES), do Reino Unido, 58% das pessoas passaram a reclamar de dores nas costas, seguida por 75% dores no pescoço, durante a adaptação do trabalho em casa.

O médico ortopedista e especialista em joelhos, Adílio Bernardes, explica que o incômodo constante se dá pela somatória de dois fatores: a falta de um espaço adequado e equipamentos ergonômicos, como cadeira com apoio para coluna e braços, mesa, teclado e monitor na altura correta, e sedentarismo. “Notei o aumento de reclamações de dores osteoarticulares principalmente naqueles que faziam exercícios e foram interrompidos devido a pandemia, seja pelo fechamento das academias e clubes, ou até pelo horário restrito, o que não permite que muitos façam suas atividades com a mesma intensidade. Outro fator é a falta de condições necessárias para desempenhar as atividades profissionais”, explica.

Adílio também destaca o aumento no caso de Lesões por Esforços Repetitivos (LER), atualmente conhecida como Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT). “O paciente não necessariamente tem uma lesão, mas os movimentos repetitivos atingem as estruturas como músculos, tendões, nervos e articulações. Quando falamos nessa situação, nós temos algumas articulações principalmente acometidas como os membros superiores (ombro), dependendo da atividade o cotovelo, punho e coluna cervical e lombar podem ser afetados, assim como os joelhos.No caso do home office o perfil do paciente está associado ao perfil de trabalho relacionado ao computador”.

Para o ortopedista, o primeiro passo para um trabalho remoto saudável são as condições do espaço, fazendo as adaptações necessárias:

  • Cadeira com encosto alto (para apoiar toda a região das costas);
  • Cadeira com encosto para cotovelo (Para não sobrecarregar os ombros no ato de fazer a digitação);
  • Posição do monitor na altura dos olhos;
  • Apoio para os pés.

Além disso, Adílio destaca a importância das pausas. “É necessário ter um período de repouso. Levantar para tomar um café, água. Neste momento, aproveitar para fazer um alongamento”, conta lembrando que o complemento com atividades físicas é fundamental. “Hoje, os aplicativos tomaram conta, o que nos permite adaptar-se a diversas situações, até mesmo na hora de se exercitar em casa”.