Taxa mínima de ocupação de leitos de UTI para transição de fases do plano estadual será alterada

O governo de São Paulo irá alterar a taxa mínima de ocupação de leitos de UTI, um dos critérios previstos no plano de medidas para a flexibilização da economia estadual. As mudanças devem ser anunciadas nesta segunda-feira (27) pelo governador João Doria (PSDB).

Segundo João Gabbardo, coordenador-executivo do comitê de saúde estadual, a medida foi solicitada pela equipe técnica em função dos custos e da demanda de leitos para outras comorbidades. Entretanto, ele não revelou quais serão os novos índices.

A determinação em vigor prevê taxa de ocupação de leitos de Covid-19 abaixo dos 60% para que as cidades que estão na fase amarela possam avançar à fase verde.

“A capital de São Paulo está trabalhando hoje com um pouco mais de 64% de ocupação. Temos aí mais de 30% dos leitos ociosos. O que acontece: A tendência de São Paulo é de redução do número de leitos porque tem reduzido o número de casos, tem reduzindo o número de internações, e esses leitos ficarem ociosos, tem a questão do custo, mas tem uma outra coisa que é mais importante que o custo, existem as necessidades das pessoas por outras situações que não são Covid. As pessoas continuam tendo infarto, Acidente Vascular Cerebral (AVC), acidentes automobilísticos, e todas essas demandas precisam de atendimento de UTI e esses leitos estavam sendo priorizados para Covid”, disse o coordenador em entrevista à GloboNews na manhã desta segunda (27).

Gabbardo afirma que o comitê vê redução do número de internações por coronavírus e solicitou a alteração.

“Neste momento, com essa redução da necessidade, há possibilidade de que nós tenhamos uma disponibilidade um pouco maior para o atendimento das outras situações que também são necessárias. Essa é a solicitação, é isso que o Centro de Contingência avaliou, e o governador deve anunciar nos próximos dias, talvez anuncie ainda hoje, alguma modificação em relação a essa necessidade do cumprimento da disponibilidade de leitos de UTI”.

Neste sábado as taxas de ocupação dos leitos das unidades de terapia intensiva (UTI) se mantiveram estáveis em 65,6% no estado e 63,6% na Grande São Paulo. No sábado, as taxas eram de 66,1% no estado e 63,6% na Grande São Paulo.

Ainda de acordo com Gabbardo, a cidade de São Paulo deverá avançar para a fase verde nas próximas semanas.

Entretanto, o coordenador afirmou que a chegada à fase azul, também denominada pelo governo de ‘normal controlado’, só será possível com a população imunizada, ou seja, após a garantia da vacina.

Média móvel

Neste domingo (26), o estado de São Paulo registrou 4.501 novos casos de COVID-19, elevando o total para 483.982 confirmações desde o início da pandemia.

A média móvel de novos casos, que considera os registros diários dos últimos 7 dias, voltou a indicar tendência de alta neste sábado (25).

Trata-se da primeira vez em que os casos estão em alta no estado desde 6 de julho, com aumento de 33% neste domingo na comparação com 14 dias atrás. Já a média móvel de mortes por dia está em estabilidade, com variação de +5,9% em relação a duas semanas atrás (leia mais sobre a média móvel abaixo).

(Via G1)