Vazamentos de esgoto causam transtornos na Vila Industrial e Itararé

Moradores da rua Álvaro de Menezes, próximo a entrada do campo da Associação Atlética de Alumínio, Vila Industrial, reclamam de um vazamento de esgoto, que está propagando um forte odor no local, causando transtornos ao comércio e aos moradores da região.

Na última semana o vereador Edmo Bofete questionou a Prefeitura sobre a responsabilidade quanto aos serviços de reparo. No documento pergunta de quem é a obrigação de consertar o local. “Se de responsabilidade da prefeitura, qual o prazo para que seja sanado o problema? Caso não seja de competência da Prefeitura, há a possibilidade de notificar o responsável para que seja realizado o reparo?”, cobra.

Na estrada Jaziel Ferreira do Prado entre os bairros Itararé e Alto do Itararé também há um vazamento de esgoto, problema este que é constante e recorrente. A via recebeu recentemente recapeamento asfáltico, mas o frequente problema diminui a durabilidade dos reparos

No requerimento enviado à prefeitura, Bofete pede que seja oficiado a SABESP um documento que cobre providências e responda as razões dos recorrentes problemas e o prazo para a realização dos reparos na via.

Outros problemas

O edil também solicitou a realização da operação tapa buracos na rua José Maria Borges – Vila Industrial, em Alumínio, por meio da Indicação 95/2018. Segundo a justificativa, é necessária a realização de reparo da rua citada, pois há presença de buracos que dificultam o tráfego de veículos pelo local. “O perigo de acidente é iminente, pois na tentativa de desviar dos danos no asfalto os carros acabam invadindo a mão de direção contrária”, explica o parlamentar.

Já o edil Alexandre Amaral cobra por meio de requerimento, a limpeza das galerias do bairro do Paraíso. “Considerando que estamos próximo aos meses de chuva, e devido aos acontecimentos anteriores que ocorreram no local com grandes enchentes, peço ao Executivo informações sobre algum projeto de limpeza das galerias. Muitos munícipes tiveram grandes prejuízos em suas residências, com a perda de seus móveis e objetos pessoais”, justifica.