Vereador aponta problemas com acessibilidade nos prédios públicos em Alumínio

Um alerta sobre a ineficiência da acessibilidade dos prédios públicos de Alumínio foi feito nesta semana, por meio de um Requerimento protocolado na Câmara, pelo vereador Bengala. “A acessibilidade em prédios públicos do município ainda é bastante insatisfatória e as normas estabelecem plena acessibilidade dos deficientes aos serviços públicos”, justifica o edil.

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) aprovou em março deste ano o Projeto de Lei que obriga que todos os prédios e equipamentos públicos devam ser projetados para permitirem o acesso universal das pessoas, especialmente aquelas que possuem alguma deficiência, de acordo com a Agência Senado.

Segundo Bengala, nestes locais, em Alumínio, foram encontrados obstáculos referentes à comunicação e arquitetura dos espaços. São problemas comuns à pouca oferta de mapas, falta de pisos táteis direcionais, elevadores, sanitários, mesas, balcões, rampas, escadas, corredores, disponibilidade de cadeira de rodas e portas acessíveis.

“Fomos informados sobre acontecimentos que obrigaram os deficientes a esperarem no veículo um funcionário municipal para realizar um simples protocolo”, conta.

O documento questiona se há algum estudo para que os prédios públicos possam passar por adaptações para atender os deficientes físicos e pessoas com mobilidade reduzida e se há possibilidade de disponibilizar nos prédios públicos cadeira de roda para os deficientes. Também solicita informações sobre quais treinamentos foram realizados com os servidores e quais as estruturas que os prédios municipais possuem para atender os deficientes e as pessoas com capacidade física reduzida.