“Das cores que carregamos na pele” | O Democrata

Não sei, minhas amigas, quem daqui teve a oportunidade de me conhecer pessoalmente. Tenho duas, três cores durante o ano: alto verão, sou tão morena quanto qualquer frango assado esturricado de padaria: bem chamuscada.

Saindo do verão, vou perdendo minhas escamas e a cor vai junto – aos poucos: fica uma coisa meio lá, meio cá: melasmas atacados sobre um “tom de burro quando foge”; já no “alto inverno”, nos dias do azul mais bonito que o céu pode copiar do manto de Yemanjá…. nem melasma mais eu tenho. Tudo desbotado, um amarelo fraquinho, triste, me colore.

Este espírito camaleônico de minha pele me permite entender o que é ser “racializada” – por causa dele, já senti o que é ser latina para americanos, brasileira para europeus e branca para brasileiros – e por aquilo que experimentei, não se enganem, agradeço por ser vista como branca! Tá certo, que não é
beeemmm branca, mas é quase tão bom quanto, porque “japonês é tão limpinho”! Japonesa, então, imagina!!!

Ainda bem que, por agora, minha versão amarela goza de prestígio aqui. Sim, porque, durante a
Primeira República, não era beeeeemmmm assim. Asiáticos e africanos não eram tão bem-vindos. O pessoal queria mesmo era branco. Histórias do Brasil que procurava emigrantes pelo mundo afora….

Isto tudo, minhas amigas, é cansativo, sabe. Que coisa… por que temos de colorir a pele sempre para
o pior?

Sim, porque é horrível ouvir que o japonês é limpinho. Esperavam o quê, que minha mãe, minha avó, não tomassem banho? Por isso o espanto, né? Pegamos todo mundo!!! Esses espantos disfarçados por “elogio” são reveladores…

Penso em minha amiga de pele negra. Sem comparação. Se o “elogio” para a minha japonesada esconde um espanto bem esquisito, já para minha amiga de pele negra vai na cara mesmo. Sem dó nem piedade.

Para mim, chegaram a dizer que japonesas não tem cheiro!!! Desculpe em decepcionar, mas ponha a pessoa para trabalhar duro, sob sol escaldante, durante horas, sem chuveiro e aí a verdade se revela: o ser humano tem cheiro. Até a japonesa! É, minhas amigas, japonesa também tem cheiro… Desculpe.

Então se a questão é a cor, que tal colorir todo mundo com um verdinho marciano básico: nem bandeira, muito menos folha? Que tal? Mas sigamos juntas, verdinhas ou não. Sempre.

Ah! Tem um livro sobre isso: “O pacto da branquitude”, da Cida Bento. Vale a pena ler, para quem topar o
desafio de se ver colorido e sentir como isso é complicado!

Julie Kohlmann é Doutoranda em Filosofia do Direito, Mestre em Direito Civil, Especialista em Direito Penal e Associada ao IBDFAM – @juliekohlmannadvogada

Jornal O Democrata São Roque

Fundado em 1º de Maio de 1917

odemocrata@odemocrata.com.br
11 4712-2034
Rua Marechal Deodoro da Fonseca, 04
Centro - São Roque - SP
CEP 18130-070
Copyright 2021 - O Democrata - Todos os direitos reservados